Ad

Graças ao mercado dos Estados Unidos, o Brasil fechou a safra de 2017/18 com crescimento de 29%.

Diretor da Frucamp, Eurides Fachini festeja os bons números da citricultura brasileira que bateu recorde de venda de suco de laranja ao exterior. O volume embarcado, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior, foi o maior da história. O país exportou 1,15 milhão de toneladas de suco de laranja concentrado. Só para os Estados Unidos foram embarcadas 315,4 mil toneladas, o que representa 83% de crescimento em relação às 172,7 mil toneladas do ano anterior.

Eurides Fachini é um dos maiores produtores de laranja do país, o que faz há mais de cinquenta anos. “Quero morrer trabalhando e plantando laranja”, disse ào Jornal do Interior. Afinal, a agricultura é o “Brasil que deu certo”. A agricultura não é o custo Brasil e, sim, o investimento Brasil, que produz alimento para 5,7 bilhões de pessoas no mundo.

“Nós, os produtores, sofremos com chuva e com a falta dela. Com o frio e com o calor, mas enfrentamos tudo com fé e com trabalho”, afirma o nosso entrevistado.

 

FRUCAMP E A EXPORTAÇÃO

Eu diria que a FRUCAMP exporta 100% da produção. Atualmente não temos intenção de investir no mercado interno.

Além da produção da minha família destinada para FRUCAMP que é de 35%,somos fornecedores de laranja para CUTRALE.

APOIO DO GOVERNO 

O Agronegócio tem recebido do governo financiamento sim, mas com taxas de juros muito altas, quando se trata de parte da economia do país tão representativa no nosso PIB, minha opinião é que deveríamos ser subsidiados nas taxas de juros porque estamos muitos expostos ao clima, onde temos um câmbio vulnerável, nossos produtos nem sempre cobre os custos de produção.

O MELHOR MOMENTO

Na minha opinião, o melhor momento deve ter tido muitos, mas um grande trabalho foi feito pelo código florestal , que deu mais estabilidade para os produtores brasileiros; gosto muito do trabalho do nosso ministro da agricultura Blairo Maggi, juntamente com seu secretário Eumar Novacki  que tem nos defendido aqui no Brasil e fora do país ,o que temos feito para preservar nossas florestas e mananciais, que é de 61% preservado, dados que os ambientalistas não divulgam.

Outro momento importante para nós produtores foi a reforma trabalhista, porque já estava insustentável trabalhar para nos defender de ações trabalhistas mentirosas e inadmissíveis.

A GREVE 

Quanto a greve dos caminhoneiros não teve grande prejuízo para citricultura, porque ainda não tinha começado a colheita da safra, mas prejudicou no transporte de outros produtos agrícolas, como pecuária, grãos, no transporte de calcário, adubos, etc., por outro lado conseguiram uma redução no preço do diesel que foi relevante para o Agronegócio.

PRÓXIMO PRESIDENTE 

Do próximo presidente espero que dê a importância devida para o Agronegócio, que governa nosso país com mais atenção, cuide melhor da educação, da saúde dos brasileiros, da segurança, acabe com o câncer da corrupção, olhe mais pelas nossas rodovias do país, nossas ferrovias onde pode resolver parte dos conflitos entre os caminhoneiros e o escoamento da produção agrícola.

GOVERNO IDEAL 

Como produtor, com o respeito devido ao agronegócio, sustentáculo da economia brasileira, entendo que, além do que penso como ideal na pergunta acima, o Governo dos nossos sonhos, é um governo, onde o principal mandatário do país seja arrojado e tenha determinação para levar avante as bandeiras que a sociedade tem demonstrado querer e que identifique novas bandeiras que serão levantadas, com o objetivo de elevar o nível de vida e valorizar a cidadania dos brasileiros de todos os níveis. Que esse Chefe da Nação eleito não tenha hesitações na hora de assumir posição de lideranças e firmeza no cenário nacional, que lute pela valorização da política brasileira com bons exemplos e que não jogue uma categoria social contra a outra, ou seja, que não haja divisão, e, sim, um só desejo de construção cidadã. Assim não será apenas um Governo Generoso, mas uma administração vitoriosa e que será respeitada por produtores e consumidores.

 

Redação • imprensa@uvesp.com.br
Ad
Ad