Ad
Meta do Ideb é superada

O Estado de São Paulo superou a meta estabelecida pelo Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) para os anos iniciais do ensino fundamental. De acordo com dados divulgados pelo Ministério da Educação, na primeira quinzena de setembro, a etapa alcançou 6,6, quando a meta estipulada era de 6,3 pontos. A média está acima da nacional, que ficou em 5,8.

Localizada na região noroeste do Estado, com menos de dois mil habitantes – segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – a cidade Santana da Ponte Pensa (614 quilômetros de São Paulo), foi a que alcançou maior meta no índice, com 8,2 pontos nos primeiros anos do ensino fundamental.  Em seguida, aparece Tabapuã (410 quilômetros de São Paulo) com média 7,9.

De acordo com a dirigente de ensino da região de Jales (que inclui Santana da Ponte Pensa), Marlene Medaglia, o desempenho da cidade é resultado de um trabalho desenvolvido por uma equipe compromissada com o aprendizado tanto dos estudantes quanto dos docentes, que possuem formação continuada por meio dos programas Ler e Escrever, Emai (matemática) e Programa Nacional de Alfabetização na Idade Certa (Pnaic).

Por outro lado, os anos finais do ensino fundamental e todo o ensino médio ficaram abaixo do esperado – o Estado registrou índice 5,3 e 4,2 respectivamente. O esperado para o 8º e 9º ano do ensino fundamental era 5,6 e a meta para o 3º ano do ensino médio era 5,0.

• CLASIFICAÇÃO •
Após ter liderado, junto a Pernambuco, com a maior nota entre os ensinos médio e da rede pública em 2015, o Estado de São Paulo classificou em quarto lugar no índice. A rede pública estadual ficou com 3,8 de nota no ensino médio em 2017, atrás de Pernambuco (4,0), Espírito Santo (4,1) e Goiás (4,3). A meta era 4,6.

Já a rede privada teve a melhor nota, 5,9. Apesar disto, está abaixo da meta de 6,8.

Em nota, a Secretaria de Estado da Educação afirmou que os resultados do Ideb 2017 evidenciam a “necessidade de aperfeiçoar” os ensinos fundamental e médio. “A pasta reconhece resultados importantes, o esforço dos profissionais da rede estadual, porém, ações como a valorização do professor e o investimento em tecnologia de ponta, com lousas digitais, são fundamentais para avançar a qualidade do ensino”, diz o texto do documento.

• BRASIL •
Em todo o Brasil, a meta do Ideb estabelecida para 2017 foi cumprida apenas nos anos iniciais do ensino fundamental – que vai do 1º ao 5º ano. A etapa alcançou 5,8 (em uma escala que vai de 0 a 10), quando a meta estipulada era de 5,5.

No ensino médio, nenhum estado atingiu a meta. Além disso, cinco estados brasileiros apresentaram redução no valor do índice. “Temos um quadro de crescimento nos anos iniciais, especialmente das redes municipais. Tivemos avanços do sexto ao nono ano, mas ainda insuficientes, e uma estagnação do ensino médio, que cada vez mais se distancia da meta. Há uma necessidade muito grande de fazermos logo mudanças estruturantes”, afirma o ministro da Educação, Rossieli Soares, em matéria publicada pela Agência Brasil.

Ele também destaca a Reforma do Ensino Médio, aprovada no ano passado. “É necessário avançar nessa reforma para trazer este novo ensino médio para o Brasil”, acrescentou.

No ensino médio o índice avançou 0,1 ponto, após ficar estagnado por três divulgações seguidas, chegando a 3,8. A meta para 2017 era 4,7.

Nos anos finais do ensino fundamental, do 6º ao 9º ano, a meta foi descumprida pela primeira vez em 2013 e não atingiu mais o esperado. Em 2017, com Ideb 4,7, o país não alcançou os 5 pontos esperados.

“Apesar do crescimento observado, o país está distante da meta projetada”, avalia o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pelo Ideb.

• IDEB •
Divulgado pelo Ministério da Educação (MEC), o Ideb é o principal indicador de qualidade da educação brasileira. O índice avalia o ensino fundamental e médio no país, com base em dados sobre aprovação nas escolas e desempenho dos estudantes no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (Saeb).

Desde a criação do indicador, em 2007, foram estabelecidas diferentes metas (nacional, estadual, municipal e por escola) que devem ser atingidas a cada dois anos, quando o Ideb é calculado. O índice vai de 0 a 10.

A meta para o Brasil é alcançar a média 6 até 2021, patamar educacional correspondente ao de países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Juliana Franco • Jornalista
Ad
Ad